Situação dos times após o Draft – NFC West

Esta é uma divisão com sucesso recente (Seahawks vencedor do SB XLVIII, 49ers com aparição no Super Bowl XVLII, Cardinals em final de conferência na temporada 2015) e busca voltar a ser destaque na Conferência Nacional. E o que seus talentos individuais têm a nos oferecer no Fantasy?

Embed from Getty Images

Arizona Cardinals

Embed from Getty Images

Movimentações de destaque na intertemporada

Chegaram

N/A

Saíram

N/A

Renovaram

Jermaine Gresham (TE)

Correndo com a bola

2016 solidificou a presença de um gênio da posição de RB (até que se prove o contrário): David Johnson foi a alegria de quem contou com seus serviços, alcançando as 100 jardas de scrimmage em 15 dos 16 jogos de Arizona em 2016. Ele dispensa comentários, mas estamos aqui para fazê-los.

Em termos de fantasy, o monstro alcançou a média de 20,4875 pontos por jogo (327,8 totais; quarto maior pontuador no geral e o 1º entre não-QBs). E poderia ter ido além, não fosse uma lesão no primeiro quarto da última partida da temporada, em que fez apenas 4,4 pontos.

Ele será a primeira escolha geral de quase todas as ligas padrão do fantasy esse ano e pedra fundamental destes times. Obviamente não encontrará concorrência no backfield dos Cardinals.

Passando a bola

Carson Palmer teve um ano decente, porém nada excepcional (4233 jardas de passe; 26TDs). Seus alvos devem ser praticamente os mesmos de 2016, e sua escolha em draft é improvável, posto que haverá melhores opções disponíveis. No entanto, será uma das melhores escolhas na waiver wire.

Recebendo passes

Larry Fitzgerald! O imortal wide receiver dos Cardinals registrou mais uma temporada de 1000+ jardas aéreas em sua carreira exemplar. Marcou poucos TDs (6), o que diminui seu impacto no fantasy; no entanto é uma das melhores opções para compor elenco na posição de WR.

Os Cardinals liberaram Michael Floyd para os Patriots no fim da temporada 16-17, quando o mesmo já não fazia grandes participações pelo time.

Vamos falar de David Johnson outra vez? Sim, ele foi o “WR2” do time em 2016, com 879 jardas recebidas e 4 TDs resultantes, que ajudaram a compor muitos dos seus jogos de 100 jardas totais. Com isto, outros WRs do elenco, como JJ Nelson e John Brown, precisam melhorar seu jogo para serem mais acionados e consequentemente produtivos.

Por fim, Jermaine Gresham, TE, não teve um bom ano, recebendo apenas 37 passes para 391 jardas e 2 TDs. Teve menos alvos (61) do que David Johnson (sempre ele) teve de recepções (80). Continuará com papel reduzido em Arizona.

Valor de Fantasy

David Johnson: RB1 (round 1)
Larry Fitzgerald: WR2 / Flex (round 7)
Carson Palmer: waiver / QB2 (round 15)
John Brown: Flex (round 13)
Jermaine Gresham: TE2 (round 16)

Los Angeles Rams

Embed from Getty Images

Movimentações de destaque na intertemporada

Chegaram

Lance Dunbar (RB, Dallas)
Robert Woods (WR, Buffalo)

Saíram

Kenny Britt (WR, Cleveland)
Brian Quick (WR, Washington)
Lance Kendricks (TE, Green Bay)
Case Keenum (QB, Minnesota)

Renovaram

N/A

Antes de mais nada: os Rams precisam de muita ajuda de sua defesa, em primeiro lugar, pois foi o segundo pior time em jogadas ofensivas, jardas aéreas e corridas, e o pior ataque em jardas totais, pontos e TDs aéreos. Com números tão inexpressivos, é preciso ter a bola na mão mais vezes (a contratação de Wade Phillips para coordenador defensivo é um bom começo nessa direção).

Correndo com a bola

Seis jogadores correram mais que as 1252 jardas dos Los Angeles Rams em 2016 (Ezekiel Elliot, Jordan Howard, DeMarco Murray, Jay Ajayi, Le’Veon Bell – em 12 jogos – e LeSean McCoy). Todd Gurley fez o que pôde, acumulando 885 (3,2 por tentativa), mas com a linha ofensiva que lhe acompanha, não há milagre possível. Ainda assim, Gurley continua bem cotado para figurar entre os RBs titulares da maioria dos times de fantasy.

Passando a bola

Case Keenum e (o então calouro) Jared Goff dividiram as rédeas do jogo aéreo em 2016 e, somados, alcançaram menos jardas que 24 outros QBs. Em 2017, só restará Goff, pois Keenum foi para os Vikings. Cabe à primeira escolha geral de 2016 se esforçar e subir de nível para levar os Rams a algum lugar ao sol neste ano. Dificilmente será titular em algum time de fantasy.

Recebendo passes

Três dos quatro principais recebedores foram embora (como dito acima). Com isso, Tavon Austin e o recém-chegado Robert Woods, além de Gurley em situações específicas, devem ser os principais alvos de Goff. Em termos de fantasy, comporão elenco ou serão oportunidades pontuais de waiver.

Valor de Fantasy

Todd Gurley: RB2 (round 3)
Tavon Austin: Flex (round 15)
Robert Woods: Flex (round 15)
Jared Goff: QB2 (round 16)

San Francisco 49ers

Embed from Getty Images

Movimentações de destaque na intertemporada

Chegaram

Pierre Garçon (WR, Washington)
Tim Hightower (RB, New Orleans)
Brian Hoyer (QB, Chicago)

Saíram

Colin Kaepernick (QB, sem time)
Torrey Smith (WR, Philadelphia)
Quinton Patton (WR, New York Jets)
[29/08/2017] Vance McDonald (TE, Pittsburgh)

Renovaram

N/A

Correndo com a bola

Dois jogadores assumiram o protagonismo do quarto melhor ataque terrestre em jardas: Carlos Hyde e…Colin Kaepernick. Enquanto o RB segue no time, o QB foi dispensado, e suas (então) previsíveis investidas não serão mais vistas no time da baía californiana. Com isso, Tim Hightower, RB recém-adquirido, deve assumir o posto de segundo corredor no time. Enquanto Hyde deve ser primeiro ou segundo corredor de muitos times no fantasy, Hightower deve figurar como flex na maioria dos casos.

Passando a bola

Por falar em Kaepernick, seus protestos em 2016 deram o que falar, e muito provavelmente lhe custaram o emprego, pois, ainda que sua performance tenha caído em relação aos anos de finais de conferência, ele é notoriamente mais competente que alguns de seus colegas de posição da liga.

Assim, o competente Brian Hoyer chega para mudar a cara do signal-calling dos Niners (nota do redator: embora o titular da posição ainda não esteja claro na briga entre Hoyer e Barkley, creio que o primeiro, mais experiente, deve vencer). É uma opção mediana para segundo QB no elenco do fantasy, com condições de evoluir.

Recebendo passes

Saem Quinton Patton e Torrey Smith, chega Pierre Garçon, WR respeitável e candidato a principal alvo dos lançadores dos Niners. Em 2016, ele passou de 1000 jardas, no entanto contou apenas 3TDs na temporada. Deve ver sua produção aumentar na nova equipe como provável líder em recepções.

Outros nomes devem figurar na waiver wire, como Jeremy Kerley (WR), Vance McDonald (TE) e Marquise Goodwin.

[29/08/2017] Vance McDonald foi trocado para o Pittsburgh Steelers. Com isso, o calouro George Kittle deve assumir a titularidade nos 49ers.

Valor de Fantasy

Carlos Hyde: RB1 (round 2)
Pierre Garçon: WR2 / Flex (round 12)
Brian Hoyer: QB2 (round 15)

Seattle Seahawks

Embed from Getty Images

Movimentações de destaque na intertemporada

Chegaram

Eddie Lacy (RB, Green Bay)

Saíram

N/A

Renovaram

Luke Willson (TE)

Correndo com a bola

Desde 2010 não se corria tão pouco em Seattle quanto na última temporada. 1591 jardas é pouco para quem estava acostumado à robustez de Marshawn Lynch. Incrivelmente o melhor corredor do time em 2016 foi Christine Michael, mandado para Green Bay durante a temporada. Thomas Rawls, que passou parte do ano passado lesionado, voltou mas não a tempo de sanar o problema.

Ano novo, vida nova: Eddie Lacy, dispensado por Green Bay (que também mandou Michael embora, a propósito), chega para assumir a responsabilidade de furar as linhas defensivas adversárias e ganhar as jardas terrestres perdidas. Rawls e C. J. Prosise também estão no mix para dividir as carregadas, mas Lacy é o preferido nos drafts iniciais pelas ligas de fantasy. E, com o progressivo corte de peso pelo qual tem passado, ele deve sim ser o RB1 de Seattle.

Passando a bola

No seu pior ano em termos de fantasy, Russell Wilson não deixou de contribuir para o ataque dos Seahawks, apesar de estar atrás da pior linha ofensiva de 2016. Apesar de cair de 3º para 11º QB que mais pontuou no fantasy (268,1 pontos), ele continua como opção viável na titularidade do seu time, pois 1) Seattle fez investimentos na linha ofensiva (via draft e free agency) e 2) Wilson segue sendo um QB atlético e elusivo, capaz de estender jogadas e achar seus companheiros para gerar avanços e TDs.

Recebendo passes

Doug Baldwin é o alvo de confiança de Russell Wilson. Em 2016, mais de 20% dos passes do time foram em sua direção. Resultado? 1128 jardas aéreas produzida pelo ótimo wide receiver, que marcou apenas 7TDs no entanto (metade dos 14 obtidos em 2015). O 11º melhor WR em pontos no fantasy (159,6) seguirá sendo muito acionado.

Pouco atrás veio Jimmy Graham, tight end notório que alcançou 923 jardas aéreas e 6TDs, o quarto melhor TE em pontos no fantasy (124,3). Titular fácil de qualquer time numa liga padrão.

Tyler Lockett e Jermaine Kearse, WRs, devem aparecer pontualmente nas estatísticas do fantasy, representando assim oportunidades na waiver wire.

Valor de Fantasy

Russell Wilson: QB1 (round 7)
Doug Baldwin: WR2 (round 4)
Eddie Lacy: RB2 (round 7)
Jimmy Graham: TE1 (round 6)

Referências:
Pro Football Reference 
Pro Football Focus

2 comentários Adicione o seu

  1. Magno disse:

    Mais um belo texto

    Curtido por 1 pessoa

    1. Rui Santos disse:

      Que bom que gostou Magninho! Abraço!

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.