Top Rookie Wide Receivers – 2018

Hoje é dia de fechar as análises dos calouros com a posição de habilidade que viu mais prospectos selecionados — naturalmente. Então veja aqui os principais nomes a entrarem nas franquias em 2018. Boa leitura!

D.J. Moore, Carolina Panthers

Round 1, pick #24

Desde a saída de Kelvin Benjamin para os Bills, os Panthers não conseguiram um wideout de peso e realmente efetivo para a posição (inclusive, nem Kelvin conseguiu ser isto para o time enquanto esteve lá). No último ano, mantiveram os planos de jogo em cima de Devin Funchess, assim como utilizaram bastante os préstimos de recebedor de Christian MCcaffrey nos lançamentos. Perderam sua arma mais efetiva, Greg Olsen, e sofreram muito para se manterem competitivos no jogo aéreo. Neste Draft,  foram buscar talento para compensar estas dificuldades em D.J. Moore, WR de Maryland.

O jogador me lembra pessoalmente um certo Doug Baldwin pela versatilidade e completude em sua posição. É um jogador predominantemente do slot, teve sua produção baseada principalmente nesta área do campo e teve muito sucesso em suas recepções, na posição. Além disso, ele bem as suas rotas, alcança a bola em várias situações e se desvencilha muito bem dos seus marcadores (sim, no plural).

Sua comparação com Benjamin não é válida, uma vez que o novato é bem mais baixo e leve, o que o deixa mais próximo de muitos snaps partindo do slot, como complemento a Devin Funchess, Torrey Smith e Russell Shepard. Em 2018 não deve explodir em alvos e recepções num time que ainda tem ninguém menos que o lendário tight end Greg Olsen.

Valor de fantasy: flex situacional / waiver  wire / bom investimento em dynasty

Calvin Ridley, Atlanta Falcons

Round 1, pick #26

O ataque aéreo de Atlanta quase sempre é um show sob o comando de Matt Ryan e com o apoio dos wide receivers Julio Jones e Mohamed Sanu (o WR com QB rating perfeito até o fechamento deste artigo). Mas Taylor Gabriel (agora em Chicago) sempre me pareceu o elo fraco da unidade, junto aos tight ends do time.

Assim Atlanta pagou seu passe com a escolha de primeira rodada que tinha e terá possivelmente um bom slot para trabalhar nesta próxima temporada. E, para executar esta função, duas características lhe sobressaem: mãos seguras (vide os estranhos passes recebidos de Jalen Hurts) e sua aceleração fora de série após a recepção, que geralmente deixa os defensores para trás sem esperanças.

Tendo Julio Jones como companheiro elimina suas chances de ser o principal recebedor do time, mas eu não me surpreenderei se ele tiver mais recepções que Sanu e acabar o ano como o WR2 do time.

Valor de fantasy: WR3 / flex situacional / banco / bom investimento em dynasty

Michael Gallup, Dallas Cowboys

Round 3, pick #81

Nesta classe predominantemente ocupada por jogadores de slot, Gallup foi um dos jogadores que demonstrou bem sua capacidade de atuação em rotas mais longas e tem os requisitos necessários para ser utilizado por Dallas no fim do campo.

Já que o time hoje conta quase que exclusivamente com jogadores que têm como principal característica atuarem em rotas mais curtas (desde Cole Beasley a Allen Hurns, passando por Terrance Williams que, convenhamos, nunca mostrou ser um jogador diferenciado nem quando as chances lhe bateram na porta), a maior necessidade dos Cowboys é de um recebedor que possa dar a possibilidade de alcançar maior distância e garantir avanços mais longos.

Dallas vem de uma temporada sofrível com perdas e ausências, além de uma incompetente direção de seu HC (ao meu ver), que lhe custaram um melhor desempenho em 2017.

A saída de Dez Bryant abre a necessidade de alguém para ocupar esta área do campo e Gallup tem tudo para ser o escolhido dentro das possibilidades da equipe. Uma média de 15.3 jardas/recepção, além de mais de 1400 jardas e 7 TD no College falam bastante a favor de que isto seja possível. A depender dos planos do time, pode surpreender bastante.

Valor de fantasy: WR3 (flex) / banco / bom investimento em dynasty

Christian Kirk, Arizona Cardinals

Round 2, pick #47

Se deixar espaço para retornar, é TD; se não marcar de perto, é TD; se errar o tackle, é TD! A velocidade, aceleração e corridas de rotas de Kirk são um arsenal pra ninguém botar defeito!

Com a saída de John Brown para Baltimore, Kirk tem tudo para fazer do slot de Arizona (e dos retornos de punt e kickoff) uma zona de muito perigo para os adversários. Junto ao grande Larry Fitzgerald, aprenderá muito e fará parte do futuro da franquia.

Valor de fantasy: WR3 (flex) / banco / bom investimento em dynasty

Anthony Miller, Chicago Bears

Round 2, pick #51

Enquanto isso, em Chicago, Anthony Miller chega numa turma de recebedores sedentos por oportunidades: Allen Robinson chega de Jacksonville após uma temporada quase inteira no estaleiro; Taylor Gabriel busca melhor sorte após uma passagem discreta em Atlanta; Kevin White (cadeira cativa do departamento médico) e Josh Bellamy esperam ser alvos do QB segundanista Mitchell Trubisky. É muita competição para um calouro só!

Porém, ele não tem medo de bola dividida (mesmo medindo apenas 1,80m)! Miller foi recrutado na segunda rodada porque mostra ser um perigo em bolas longas e se dá bem buscando passes em tráfego e janelas apertadas! É mais um slot natural em nossa lista, o que o coloca em batalha direta com Taylor Gabriel pela posição, podendo chegar até a posição de WR2 caso Kevin White não se mostre completamente saudável e em forma física e técnica plenas.

Valor de fantasy: waiver wire / investimento mediano (risco/oportunidade) para dynasty

Courtland Sutton, Denver Broncos

Round 2, pick #40

Sutton terá trabalho para se afirmar num corpo de recebedores com nomes como Demaryius Thomas e Emmanuel Sanders, além do colega calouro DaeSean Hamilton que também lutará bastante pelo seu lugar ao Sol.

Um candidato a jogar em rotas mais longas, assim como Gallup, o que Sutton mostra é um tamanho e tipo físico bastante preponderante para lhe garantir resultados positivos em disputas de bolas mais acirradas. É muito bom na separação e vai bem em rotas mais longas. recebeu bastante hype nas imediações do Fantasy justamente pelo tamanho e velocidade, mas tem que ser bastante lapidado ainda para ser um jogador bem confiável com tempero de WR1.

Quantos anos os Broncos trabalharam Demaryius Thomas para torná-lo um jogador assim? No caso de Sutton há de se esperar para ver, me parece que talvez o time tenha uma utilidade mais precoce para DaeSean Hamilton já que ainda conta com a dupla Thomas/ Sanders.

Valor de fantasy: waiver wire / investimento a médio/longo prazo em dynasty

D.J. Chark, Jacksonville Jaguars

Round 2, pick #61

LSU tem oferecido nomes ofensivos de peso para a liga como Leonard Fournette, Jeremy Hill (RB), Odell Beckham, Jarvis Landry e Brandon LaFell (WR). E, mais recentemente, apresenta aos torcedores e jogadores de fantasy os nomes de Derrius Guice (RB) e D.J. Chark.

E talvez não haja coisa melhor para um WR calouro do que um corpo de recebedores bem renovado que lhe abre um enorme espaço para mostrar seu potencial de imediato! Em Jacksonville, os Allen (Robinson, Hurns) “Brothers” são coisa do passado, e a competição pela titularidade não é de assustar, o que faz de Chark (em minha opinião) o mais provável candidato a assumir a posição de WR1 em algum momento no futuro de sua franquia!

Apesar disso, há uma condicional importante: ele deve mostrar mais serviço e ganhar confiança além daquela que Blake Bortles possui em seu principal alvo: Marqise Lee. Fora isso, suas qualidades incluem mãos muito seguras, rotas longas e participação efetiva em retornos de chutes.

Valor de fantasy: late WR2 / flex / banco / ótimo investimento para dynasty

Equanimeous St. Brown, Green Bay Packers

Round 6, pick #207

Por Rui Santos

Como torcedor “cabeça de queijo”, eu (Rui) sou suspeito de falar aqui, mas foi o nosso colega de redação Caio Ribeiro quem me chamou a atenção para o que vem se falando deste cara. Então fui conferir do que se tratava e, sem clubismo, me atrevo a dizer que ele tem grandes chances de fazer sucesso.

Da classe de 2018, ele realmente parece o mais provável candidato a ser um ocupante da posição X com propriedade. Agora que os Packers não contarão mais com Jordy Nelson, St. Brown tem altura e competência para, em algum momento no futuro, assumir a função de WR1 de Aaron Rodgers. Desde já? Só o training camp dirá.

Valor de fantasy: flex situacional / banco / bom investimento em dynasty

Valores para Dynasty

Dante Pettis (San Francisco 49ers, round 2, pick 44): nos 49ers, Pettis estará na sombra de recebedores experientes e competentes (Marquise Goodwin, Pierre Garçon) e, portanto, não deve ter muitas oportunidades de cara, pelo menos como recebedor. Sua carreira no college, no entanto, vem recheada de jogadas efetivas de retorno e isto pode estar nos planos do HC para o jogador, dando valor ao “special teams” mais que à posição de WR, no Fantasy.

DaeSean Hamilton (Denver Broncos, round 4, pick 113): Consistência nas rotas, alta proficiência em separação e velocidade. Estas são características que sobram em Hamilton e formam uma excelente combinação para um slot receiver com grande possibilidade de ser eficiente no nível profissional. A sua qualidade no slot torna-o, a meu ver, um jogador com possibilidade um pouco maior de aparecer mais cedo nos Broncos que seu par, draftado no mesmo ano, Courtland Sutton.

James Washington (Pittsburgh Steelers, round 2, pick 60): num time com Antonio Brown e Juju Smith-Schuster liderando alvos e recepções, Washington vai brigar com Darrius Heyward-Bey pela posição de WR3 e galgar importância no ataque aos poucos.

Tre’Quan Smith (New Orleans Saints, round 3, pick 91): ser um alvo de Drew Brees é sempre bom em dia de jogo, mas o corpo de WRs dos Saints tem muita qualidade (Michael Thomas, Cameron Meredith, Ted Ginn Jr., Brandon Coleman…), portanto Smith precisa lutar pela posição de WR2/3 com unhas e dentes!

Keke Coutee (Houston Texans, round 4, pick 103): com DeAndre Hopkins e Will Fuller indiscutivelmente como os dois principais recebedores de DeShaun Watson, Coutee terá aulas de luxo e algumas oportunidades aqui e ali.

J’Mon Moore / Marquez Valdes-Scantling (Green Bay Packers, rounds 4/5, picks 133/174): dois wideouts que, junto a St. Brown, vão brigar para se juntar a Davante Adams, Randall Cobb, Geronimo Allison e grande elenco (fora o gigante tight end Jimmy Graham) na missão de ser alvo de ninguém menos que Aaron Rodgers.

Gostou? Quer discutir? Fala com a gente no @BrFFootball!

*Com colaboração de Rui Santos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.