Opções para reforçar seu time na waiver wire para a semana 3

Companheiros de sofrimento, bem-vindos à semana 3 da nossa brincadeira!

Com duas semanas já encerradas (como passa rápido!…), já é possível ter uma idéia melhor do panorama da NFL para este ano. Superamos a overreaction da primeira rodada e vamos para a overreaction da overreaction. Daí vem a pergunta: o que faço com meus craques que não estão rendendo? Para tentar dar uma luz, a coluna hoje vai tentar responder qual deve ser seu nível de pânico com cada um dos listados abaixo.

David Johnson

Nenhum time tem um ataque tão pálido este ano quanto os Cardinals. Voltando de uma longa contusão, encontra uma linha ofensiva horrível, um QB em Sam Bradford que já não empolgava antes da transferência para o deserto, playbook sem imaginação, tabela difícil, WR1 já com uma certa idade e sem um WR2 e TE que ajudem a abrir o campo. A vida do pobre Johnson tem sido bater a cabeça nas paredes de 7 ou 8 homens alinhados na frente. Para piorar, não tem sido usado no jogo de passes, seu maior diferencial em relação a outros RBs. Aliás, que jogo de passe mesmo?
Nível de preocupação: de cortar os pulsos.

Larry Fitzgerald

Leia acima, adapte, repita. Os Cardinals marcaram em dois jogos exatos 6 pontos! Apenas um TD. O time inteiro tem menos fantasy points que Patrick Mahomes (deve ter, não é necessário conferir pra provar o ponto de que Arizona é um cemitério do fantasy). E nosso futuro Hall of Famer saiu machucado ontem.
Nível de preocupação: arranque os cabelos.

LeSean McCoy

Joga no segundo pior time da liga, já com o terceiro QB dessa jovem temporada, com a cabeça preocupada com um sério problema extracampo, e já passou dos 30 anos – sempre uma idade marcante para um RB. Acabou machucado no jogo de ontem, mas aparentemente deve voltar para, coitado, apanhar mais.
Nível de preocupação: apague a luz do quarto e chore.

Kareem Hunt

Andy Reid é conhecido por gostar do jogo corrido, e por se prender a um RB titular, com alto volume de toques. Dessa forma, e por seu jogo explosivo também como recebedor, terminou como o líder em jardas corridas na temporada de 2017. Amigo, bote uma coisa em sua cabeça: não me pergunte porque, mas Andy Reid não gosta de Hunt. Desde a segunda metade do ano passado, os números, com exceção das semanas 15 e 16, não foram mais os mesmos.

Começou o ano com um bom número de corridas (16 e 18), mas distante do que tem potencial, e sem o mesmo sucesso. De forma ainda mais preocupante, só foi procurado uma vez como recebedor em cada partida (recebendo apenas um passe, felizmente para TD). O potencial de big plays de KC, ao invés de ajudar a abrir espaços para ele, parece ofuscá-lo. Sempre há, contudo, o potencial para marcar TDs, mas Hunt não está confirmando seu alto valor de draft de primeira rodada.
Nível de preocupação: roa as unhas.

Odell Beckham Jr.

Os Giants estão cheios de jogadores estrelados, o que é bom, mas não conseguem ter regularidade da produção ofensiva (leia-se alto volume de snaps). Isso é terrível para o valor dos jogadores no fantasy. O próprio OBJ disse depois da derrota para Dallas: “somos um monte de rebatedores de home runs”, ou seja, o time depende de big plays para produzir. E ainda por cima o volume de passes em sua direção, que tranquilizava seus owners principalmente em ligas ppr, foi desviado para o calouro Saquon Barkley. Ah, e o amigo sabia que o QB do time é Eli Manning?
Nível de preocupação: recomenda-se o uso de um antidepressivo.

Julio Jones

Mais uma rodada sem TDs, embora Matty Ice tenha lançado 4 deles. Será que Julio marca um TD neste restinho de ano? Mas não se preocupe, o volume compensa, e de vez em quando vem uma grande pontuação, como na semana 1.
Nível de preocupação: não precisa nem tomar Dorflex.

Rob Gronkowski

Fez sua pior partida em termos de fantasy contra uma defesa de Jacksonville que, embora muito dura, costuma permitir bons pontos para TEs. Mas obviamente foi bem marcado, já que os WRs dos Patriots não metiam tanto medo. Mas seus donos podem ficar tranquilos: vem agora quatro jogos favoráveis, contra Detroit, Miami, Indianapolis e Kansas City.
Nível de preocupação: nenhuma!

Feitas essas considerações, vamos às indicações da semana, que não foi tão cruel em termos de contusões, mas criou espaços, como sempre.

Giovanni Bernard, RB, Cincinatti Bengals

Joe Mixon se machucou, e fez uma cirurgia adiada por muito tempo. Só Deus sabe como conseguiu participar tanto do jogo contra os Ravens. Agora, deve ficar de fora por duas ou três semanas. Oportunidade para Bernard, que assume a condição de RB1 de um time que gosta de correr com a bola e tem uma boa linha para tanto. Como bem observou nosso presidente Caio Ribeiro, Bernard teve uma produção decente na ausência de Mixon em 2017. É handcuff obrigatório para os donos de Mixon, e pode ajudar nos próximos confrontos, contra os Panthers, Falcons e Dolphins.

Quincy Enunwa, WR, New York Jets

Foi acionado 10 vezes no primeiro jogo, contra dos Lions, e segui com 11 acionamentos numa semana curta, contra os Dolphins, recebendo, respectivamente, 6 e 7 passes para mais de 150 jardas e um TD, no total. É provavelmente o WR com maior participação no total de passes de um time, e tem uma óbvia conexão com o calouro Sam Darnold. Vai enfrentar Cleveland, que permitiu 12 recepções para Michael Thomas, WR 1 dos Saints, no jogo de ontem. Parece muito bom pra ser verdade, mas é: Enunwa não apenas deve ser adicionado em todos os elencos, como tem potencial para ser um produtivo WR titular esta semana.

Geronimo Allison, WR, Green Bay Packers

A grande dúvida de Green Bay era se Aaron Rodgers jogaria. Pois não apenas jogou como aguentou toda a partida, garantindo valor a seu WR3. Allison postou seu segundo jogo seguido com pelo menos 5 recepções, ambos contra adversários duríssimos, Chicago e Minnesota. Agora, antes da bye week, tem Washington, Buffalo, Detroit e San Francisco. O único porém é que com a volta de Aaron Jones, o jogo corrido pode deslanchar, diminuindo a necessidade de lançar tanto. Entretanto, Rodgers não se aguenta… Allison é uma ótima aposta como flex.

Corey Clement, RB, Philadelphia Eagles

Já teve uma boa atuação ontem, com a ausência de Darren Sproles e a contusão de Jay Ajayi. É muito versátil, sendo uma opção no jogo aéreo – recebeu 6 bolas, completando 5 passes, contra Tampa Bay. Vale a pena checar o status de Ajayi nos próximos dias. Se ele permanecer baleado, Clement é uma aposta segura como RB2.

Dede Westbrook e Keelan Cole, WR, Jacksonville Jaguars

Já foram indicados neste espaço semana passada. Pouco há a acrescentar, exceto a recepção do ano até agora, por Cole – o amigo com certeza viu sem acreditar! Se estiverem disponíveis, adicione ambos em seu time sem nem pensar.

Austin Ekeler, RB, Los Angeles Chargers

Continua produtivo, embora o jogo de ontem, contra os Bills, não tenha servido muito de parâmetro: o titular Melvin Gordon marcou três TDs e foi claramente poupado no resto do jogo, a exemplo do que aconteceu com Todd Gurley no outro time de Los Angeles. Aí apareceu Ekeler, com 11 corridas para 77 jardas e 3 recepções para outras 21. Se o confronto for bom, é possível escalar os dois RBs juntos.

Mike Williams, WR, Los Angeles Chargers

Teve atuação discreta, mas ainda assim anotou um TD. É um ótimo alvo na redzone, o que pode render bons frutos, principalmente com a baixa produção dos TEs do time.

Antonio “Big Play” Callaway, WR, Cleveland Browns

É possível que o amigo tenha ouvido falar que Josh Gordon foi dispensado do time neste fim de semana. Pois é. Em seu lugar, assumem um papel maior Callaway (uma das estrelas de Hard Knocks este ano) e Rashard Higgins, que em tese ainda está em sua frente. Embora não tenha sido muito acionado (4 acionamentos e 3 passes completados), sua espetacular velocidade chamou a atenção, resultando em 81 jardas e 1 TD. Tende a ganhar espaço no time.

OJ Howard, TE, e Chris Goodwin, WR, Tampa Bay Buccaneers

Aproveite o conto de fadas em Tampa Bay para adicionar Howard, que pela segunda semana consecutiva supera as 50 jardas de produção. No jogo contra a dura defesa de Philadelphia, ajudado pelos poderes mágicos de Ryan Fitzpatrick, marcou seu primeiro TD da temporada, somando 96 jardas em 3 passes recebidos. Goodwin marcou seu segundo TD em dois jogos, aumentando sua participação nos passes do time em relação à semana anterior. E por falar nele…

Ryan Fitzmagic, QB, Tampa Bay Buccaneers

Eu acredito agora. Chega pra lá, quero subir no bonde também.

urubu

Neste espaço, listamos alguns jogadores que têm valor pelas contusões ou baixo desempenho dos titulares. São os beneficiários da carniça:

Phillip Dorsett, WR, New England Patriots – Mesmo com o duro jogo contra a defesa dos Jaguars, foi acionado 7 vezes por Tom Brady, repetindo a primeira rodada. Ontem não foi um dia bom, mas com frequência esse volume resulta em números positivos.

Jesse James, TE, Pittsburgh Steelers – Teve números espetaculares ontem, mas o mais importante é que foi acionado 5 vezes nos dois jogos dos Steelers até agora, número muito razoável para a posição. A semana 3 traz um bom confronto contra os Buccaneers, que estão mostrando adorarem um tiroteio.

Marcus Murphy e Chris Ivory, RB, Buffalo Bills – Com a contusão de Shady McCoy, terão oportunidade de assumir o jogo corrido dos Bills.

Boas compras e boa sorte na semana 3!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.